Já faz algum tempo que queríamos trazer esse cara aqui. Além de encher os olhos de quem o vê andar, ele sempre demonstrou seu amor pelo carrinho, seja manobrando, assistindo aos vídeos, lendo as revistas ou viajando por esse Brasilzão, Thyago é um skatista verdadeiro. Agora chegou sua vez de dizer oque pensa, se você o conhece já deve ter uma ideia do que está por vir, sem mais delongas, Thyago Silva é o skatista DaVez.

img_0747 (Preparando pra soltar a bomba – Por Heraldo Franco)

 

Quando você conheceu o skate e como acha que ele influenciou para sua vida adiante?

Então mano, conheci o skate por um primo que andava, então desde pequeno já fazia parte das sessões com os amigos dele. O skate foi muito importante na minha vida até por ser uma atividade que depende grande parte de mim mesmo, então já me deu uma base até para a vida, que uma hora você tem que correr sozinho. O skate ajudou muito na minha caminhada.

14287630_1185476741508472_474992466_n (Shove-it – Por Pedro Iti)

 

Durante sua caminhada, quais foram as pessoas que lhe inspiraram para que definisse o seu skate atualmente?

No começo andava muito na cidade da minha mãe, que fica no interior do estado e por lá tinha minhas inspirações como: Cristiano Bob, Murillo Faoro, Felipe Cezarete, me inspiravam os cara da capital, os quem sempre via em vídeos e quando colava pra Campo Grande via os caras fritando como o Pedro Iti, o Reinaldo Mancha, entre outros.

14302775_1185476748175138_1759146641_n (Bs Flip – Por Pedro Iti)

 

Você viveu muito aqui, já sabe e entende como funciona o game em nosso estado, contudo nessas constantes viagens que vem vivendo, já deve ter notado a diferença da cena em locais onde o skate já esta consolidado, como São Paulo por exemplo. Para você qual a diferença de lá para cá?

Mano a diferença é muita, apesar de Campo Grande ter vários picos de rua, e pistas pra andar, a cena em São Paulo foi sempre forte. Historia do skate brasileiro sempre foi bem mais presente por lá, até por terem mais pessoas trabalhando de coração para movimentar a cena local.

via GIPHY

(Fs Noseblunt 270 out – Por Heraldo Franco)

 

Durante suas viagens, você vem rendendo muito material no instagram, podemos esperar algo a mais? Talvez uma futura vídeo parte?

 Então, uns dois anos atrás reencontrei um brother de Dourados (Bruno Rocha), apenas andava de skate sem a mínima ideia de vídeo parte ou sequer foto pra instagram, nem pensava nessas coisas, apenas em andar de skate com os amigos, e nessas ele tinha uma câmera. Foi então que começamos a sair para registrar as sessões, sendo em pista ou na rua, daí sempre estávamos produzindo por ai, andando de skate, colando em campeonatos pra fora do estado, registrando o role. Tenho umas imagens guardadas ainda com ele, não diria que é o suficiente para uma parte, talvez metade, mais é um material muito bom. Tínhamos um projeto em mente mais as coisas nem sempre caminham do jeito que pensamos, então o projeto que já estava pra sair deu um stop. Mais tenho imagens sim, quem sabe mais pra frente saia alguma coisa.

img_2860(Bs Wallride – Por Heraldo Franco)

 

E onde mais pretende ir? Existe algum pico em especial que você sempre viu nos vídeos e tem vontade de ir manobrar?

Falando a verdade, pretendo ir em muitos lugares que vejo nos vídeos, acho muito importante que eu conheça e possa andar nesses lugares, como o Museu do Macba na Espanha, o Jkow Plaza em Los Angeles, e também gostaria de colar no Love Park que infelizmente foi desmanchada. Sinto muito por isso ter ocorrido, já foi um pico clássico por muitos anos para os skatista e de lá saíram vários monstros.

indio-bs-noseblunt (Bs Noseblunt – Por Heraldo Franco)

 

Apesar de já estar sendo um assunto desgastado, não deixa de ser atual. O skate está oficialmente presente na olimpíadas. Qual sua opinião sobre? Acha que a essência será perdida?

Mano na real sempre foi um esporte muito difícil, independente de agora ser olímpico, a gente já “treinava” muito quase todo dia, então em relação aos “treinos” acho que não vai mudar muita coisa. Porem com certeza influenciara muito pois depois quer se concretizou até meu pai que sempre acompanhou o meu corre veio me dizer “olha filho agora o skate virou esporte”, cheguei a dar risada e disse ” é bem mais que um esporte véio é um estilo de vida e é oque eu sempre levei”. Mas acredito que ajudara muito agora que os leigos nos veem como atletas, e para nós que andamos e estamos no corre acho que vai influenciar. Os de verdade mesmo nunca deixarão a essência morrer.

indio1 (Shov-it Fs Noseblunt Reverse- Por Heraldo Franco)

 

E como é a experiência de ser pai e skatista ao mesmo tempo?

Tive meu filho muito cedo, aos 18 anos já era pai, foi muito difícil no começo até por eu ser muito novo e não ter uma estrutura para oferecer para ele, então o skate era só finais de semana e quando dava, mas as prioridades eram outras, trabalhar, cuidar da casa, esposa, filho. Porém isso nunca me impediu de evoluir nessa vida, na real me deu muita responsa e conforme foi se passando o tempo, como já disse, o futuro guarda coisas que a gente nem imagina e então não deu certo a minha relação com a mãe dele e hoje infelizmente vivo longe dele, é muito difícil pra mim e com certeza para ele também, mas sempre que posso encosto na sua cidade para vê-lo e passar um tempo nós dois. Não sei oque o futuro guarda pra mim, mas estou vivão e vivendo, correndo de verdade para que consiga mais pra frente dar uma boa estrutura para ele. É ótimo ser pai e skatista ao mesmo tempo!

via GIPHY

(Flip Bs Boardslide – Por Heraldo Franco)

 

Você se sente realizado com o Skate, e se sim, o que o realiza?

Mano me sinto muito realizado com skate hoje em dia !! Ainda mais que nos tempos de hoje temos muitas informações, revistas, vídeos, entrevistas de skatistas profissionais que precisamos muito para nossa evolução como skatista no Brasil!! O skate em geral melhorou muito de um tempo pra cá. Quando comecei a andar não tínhamos muitas informações sobre o skate, ainda mais por morar no interior onde pessoas não davam valor aos skatistas ou até não levavam a sério!! Tudo mudou, tínhamos que marcar com os amigos que tinham vhs de vídeo de skate e mesmo assim não era tão fácil, não tinha como nos comunicar, moravam todos longe um do outro então era meio difícil combinar para assistir um filme e ter nossa evolução rápida , mais mesmo assim subia em cima e tentava manobrar!! Hoje Ta tudo mais fácil graças às pessoas que gostavam de skate e nunca pararam de andar acreditaram que um dia iria se tornar mais acessível e lutaram para trazer informações para os que estavam começando a praticar o esporte , e graças às oportunidades que Deus colocou no caminho, posso dizer que estou sim realizado no skate e cada vez mais buscando a minha evolução como skatista e como pessoa!!

indio-flip (Flip – Por Heraldo Franco)

Foi muito style poder recebe-lo nesse espaço, esperamos ouvir ainda mais de você daqui pra frente!

Fotos de Heraldo Franco e Pedro Iti

Texto por Jv Moura e Pedro Iti

Commentários

commentários